quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Chefe de espionagem vê Israel como líder na guerra cibernética

http://br.reuters.com/article/internetNews/idBRSPE5BE0Q020091215

Por Dan Williams

TEL AVIV (Reuters) - Israel está apostando no uso de avanços tecnológicos civis na guerra cibernética contra seus inimigos, afirmou um general israelense nesta terça-feira em rara declaração pública sobre o programa secreto.

Usar redes de computador para espionagem --invadindo bancos de dados-- ou para sabotar sensíveis sistemas de controle com os chamados "malwares" são métodos que têm sido estudados por Israel para lidar com arqui-inimigos como o Irã.

Em discurso sobre políticas militares, o Major-General Amos Yadlin, chefe da inteligência militar, listou --entre ameaças à segurança nacional-- a vulnerabilidade a hackers, o projeto nuclear iraniano, a Síria e as guerrilhas islamitas ao longo das fronteiras do estado judeu.

Yadlin disse ainda que as forças armadas israelenses têm meios para providenciar segurança de redes e lançar seus próprios ataques cibernéticos.

"Gostaria de lembrar neste estimado fórum que o campo da guerra cibernética se encaixa bem na doutrina de defesa do estado de Israel", disse ele no Instituto de Estudos de Segurança Nacional, centro de pesquisa da Universidade de Tel Aviv.

"É uma iniciativa inteiramente azul e branca (cores da bandeira de Israel) e não depende de ajuda ou tecnologia do exterior. É um campo muito bem conhecido entre jovens israelenses, em um país que recentemente recebeu o título de 'nação de start-ups'", disse ele, em referência à indústria civil de tecnologia do país.

As agências de espionagem israelenses contam com seus times especializados em guerra cibernética, com experiência em técnicas tradicionais de sabotagem e protegidas por segredo oficial e censura.

Levando em conta que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha estão criando seus próprios comandos de guerra cibernética, Yadlin confirmou que Israel também tem pessoas trabalhando no setor. Ele não citou alvos específicos para potenciais ataques cibernéticos israelenses

http://br.reuters.com/article/internetNews/idBRSPE5BE0Q020091215

sábado, 5 de dezembro de 2009

BAI, o Banco do ano em Angola

http://www.blogger.com/post-create.g?blogID=7901355006264342032

BAI, o Banco do ano em Angola

A revista “The Banker”, do Grupo Financial Times, elegeu o Banco Africano de Investimentos, SA – BAI - como o “banco do ano em Angola” em 2009, com a publicação a destacar o crescimento sustentado do banco, medido por dimensão dos activos, consistência dos fundos próprios e rentabilidade num período em que já se adivinhava o impacto da crise internacional sobre a economia angolana.

Para a atribuição do Prémio, pelo segundo ano consecutivo, o The Banker teve ainda em conta a capacidade estratégica do BAI, ao manter-se como o primeiro banco de capitais angolanos a figurar no top 20 dos bancos africanos por activos líquidos. Nesta categoria, o BAI é o 13º maior banco do continente africano. Segundo o Presidente da Comissão Executiva, José de Lima Massano que, em nome do BAI recebeu o prémio, “a força do nosso modelo de negócio, baseado na orientação a necessidades específicas do mercado angolano, permitiu-nos atingir uma base alargada de clientes com soluções financeiras de poupança, investimento e crédito capazes de apoiar a realização de objectivos individuais, mas preservando a qualidade dos activos sob nossa gestão e assegurando um retorno sobre os capitais empregues em linha com as expectativas dos nossos parceiros sociais”.

A conquista desta distinção, como refere José Massano, é também um reconhecimento a contribuição que o BAI tem dado ao desenvolvimento do sistema financeiro angolano. O BAI é o mais internacional dos bancos nacionais com presença em Portugal, Cabo-Verde, São-Tomé e Príncipe e Brasil.

Como critério para avaliar os premiados a cada ano, o The Banker tem como base questionários técnicos detalhados aos quais cada banco é convidado a dar resposta. Este ano, 740 bancos de 150 países enviaram os seus questionários à equipa editorial que constitui o júri do Prémio The Banker. De entre os candidatos, apenas um banco em cada país é premiado pelo seu desempenho global em função da análise dos resultados qualitativos e da capacidade de agir de acordo com iniciativas estratégicas.


http://www.blogger.com/post-create.g?blogID=7901355006264342032

MPLA em Conclave na Segunda-feira

http://www.voanews.com/portuguese/2009-12-04-voa1.cfm

MPLA em Conclave na Segunda-feira

Sob o lema "MPLA A CERTEZA DE UM FUTURO MELHOR" este evento vai reunir mais de dois mil delegados, no que está a ser visto como uma demonstração da grandeza do partido que governa Angola desde 1975.

Muitos já não lá estarão com o mesmo fervor do passado. Por inerência dos cargos que ocupam sobretudos Deputados a Assembleia Nacional, nomes como de Adelino de Almeida, Lopo do Nascimento e França Van-Dúnem as suas presenças não passarão do papel de meros representantes! Quem diria?

Dos resultados em si poucos acreditam em grandes alterações no que toca as linhas de orientação e actuação como resultado de um debate interno do conclave.

José Eduardo dos Santos é o único candidato a sua própria sucessão e com certeza será eleito por mão no ar ou voto secreto.

Já o disse Bento Bento responsável nesta província, citamos, "os delegados de Luanda vão votar unanimemente para a continuação do camarada presidente."

Não existem correntes internas com coragem para se apresentar com alternativas. As que tentaram foram esvaziadas ou então obrigadas a deixar a militância activa.

Apesar do seu potencial financeiro o que lhe dá maior capacidade de realização, pelas ruas de Luanda não se notam tanto a presença de propaganda panfletária, sobressaindo ainda assim a presença dos Outdoors e a propaganda nos audiovisuais e no único diário público.

Dos que entram e dos que saem, ao nível dos órgãos centrais a filosofia será a de renovar na continuidade. Ou seja 45% será substituído, com a entrada de novas figuras sobretudo jovens para o Comité Central. João Melo (o Deputado e escritor), Luísa Damião (Angop-Agência de Notícias) e Adélia Andrade (Deputada) são alguns nomes dados como certos para o Comité Central.

O jurista e deputado João Pinto assim como alguns empresários, entre os quais se destaca José Chimuco do Kuando-Kubango, constam igualmente da lista que se diz ter vindo pelo punho do presidente.

Nos últimos dias, com empolada notoriedade de intervenção pública está Jorge Valentim, expulso do antigo movimento rebelde no que é visto como prenúncio do caminho para a sua ascensão. O antigo porta-voz de Jonas Savimbi já milita o MPLA e é um dos seus tarefeiros

Mas neste Congresso segundo se diz, dificilmente serão reabilitadas velhas figuras, caídas em desgraça.

Em desgraça parecem definitivamente Adelino de Almeida e Miguel de Carvalho Wadijimbi (actual Vice-Ministro da Comunicação Social).

Diz-se também que este é um Congresso em que Eduardo dos Santos vai tão somente aproveitar a ocasião para que no presidencialismo em que mergulhou o partido desde 1982, a custo da fragilização de importantes órgãos como o Comité Central e Bureau Político, para legitimar decisões da sua própria iniciativa.

A alegada luta contra a corrupção vai fazer vítimas no pós Conclave, com alterações ao nível de alguns ministérios dos quais se destacam o da Administração do Território, das Obras Públicas além da vassoura no Comité Central.

Dificilmente os delegados se apresentarão com coragem para debater aprofundadamente as propostas do chefe de tal modo que lá estarão apenas para corrigir pontos e vírgulas, como sublinhou o antigo Secretário da CPLP Marcolino Moko que também já anunciou em carta aberta dirigida a Dino MATROSS, Secretário-geral do MPLA que não vai participar.

"O modo como fui convidado é de não aceitar"... disse

Recordamos que Marcolino Moko foi chamado na semana passada à sede do partido e admoestado pelas intervenções académicas que tem feito. Ele também não acredita que desta reunião saia alguma coisa de novo.

Victor Aleixo jornalista e comentarista sobre os assuntos políticos considera que como demonstração do seu compromisso com a transparência, Eduardo dos Santos vai mexer na equipa governamental logo a seguir a esta reunião. Para Fernando Macedo, o actual presidente do partido no poder é um obstáculo a democracia interna e no país.


http://www.voanews.com/portuguese/2009-12-04-voa1.cfm